“Foram 19 anos no Grupo, dos quais seis diretamente na ENGIE Brasil Energia, sendo os últimos dois como diretor”, diz. “Tenho orgulho de contribuir para tornar a ENGIE Brasil uma das referências do setor elétrico brasileiro e de ter sido parte de uma equipe diferenciada, qualificada e coesa”, complementa Freitas.

O diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini, vê com pesar a decisão do profissional de seu time, mas, ao mesmo tempo, entende sua opção profissional e pessoal. “Temos um programa de sucessão com executivos consolidados e isso vai ajudar na substituição do Carlos Freitas”, informa.

A ENGIE já iniciou a seleção de um novo profissional, com base em seu programa, e a sucessão será acompanhada por Freitas até sua saída efetiva no dia 15 de março, quando Sattamini acumulará o cargo de diretor-presidente e de diretor Financeiro e de Relações com Investidores. Segundo o CEO da ENGIE Brasil, Maurício Bähr, a decisão de Sattamini de acumular o cargo, temporariamente, não vai causar descontinuidade no dia a dia da empresa, em função de sua experiência anterior no cargo, entre 2010 e 2016.